Nossa missão é

ESCLARECER CADA BRASILEIRO.


Nosso intuito é de

EVITAR OS MALES DO JOGO.


Nosso valor é

O AMOR.


Nossa ação

É REAL.


[EBC] Jogos de Azar: “Você nunca vai ganhar. A palavra já diz: é um jogo”, diz ex-compulsiva

A discussão sobre a legalização dos jogos de azar no Congresso Nacional levanta a preocupação com a compulsividade pela prática, doença tecnicamente denominada ludopatia. Recuperada há oito anos, após quase 15 de vício, Anna Riccitelli conhece bem essa realidade.

Jogos de azar: saiba o que dizem os projetos no Congresso Nacional 

Nascida em uma família de alto poder aquisitivo, ela perdeu tudo no jogo. Começou a jogar aos 35 anos e só conseguiu parar com tratamento. Hoje, aos 59, e com as dívidas quitadas após perder vários de seus bens, ela vê com preocupação os projetos que pretendem legalizar novamente esse tipo de entretenimento no país. “Entrei em depressão, tomava oito remédios por dia e tentei suicídio. Vivi um inferno”, recorda-se.

Confira a entrevista completa:

PORTAL – Quando você começou a jogar?

AR – Há uns 20 anos, e o porquê até hoje não sei. Fui por convite de uma conhecida, por curiosidade, comecei a ganhar e obviamente me empolgue. Deixava minha filha na escola e não tinha o que fazer. Aí comecei nas cartelinhas e não gostei, queria mais. Comecei a ir para o computador, com mais adrenalina. De lá, fui parar nas máquinas caça-níqueis e essa foi a minha perdição.

PORTAL – Com o que você trabalhava nessa época?

AR – Eu não trabalhava. Tinha um dinheiro disponível de herança, cuidava da minha filha, vendia algumas roupas ou coisas assim. Não me sentia útil pra sociedade. Foi nesse momento de vazio que comecei a jogar. Junto com o jogo veio a ilusão de que estava ganhando. Mas nunca estava, você joga 100 e perde 500. Perdi carro,  apartamento, minha filha e minha família.

PORTAL – Com que dinheiro você jogava nesse período?

AR – Eu pedia dinheiro para todo mundo. Vendi todas as minhas joias, roubava tudo o que tinha da minha filha. Só não roubei na rua, o restante, dentro de casa, eu fiz. Vendi tudo que eu tinha.

PORTAL – Quanto tempo se passou desde que você começou a jogar até começar a ter problemas com a prática?

AR – Aproximadamente cinco ou seis anos. Isso porque eu tinha dinheiro, fora tudo o que eu vendia. Quando perdi, foi de uma vez, já que ficava 24 horas no jogo. Tinha de pedir para o motorista me trazer sem pagar, eram agiotas me cobrando, humilhações indescritíveis. Entrei em depressão, tomava oito remédios por dia e tentei o suicídio. Minha vida era um inferno. Comecei a ser tratada totalmente como louca. Queriam me internar e ai consegui, com muita dificuldade, chegar a um tratamento.

PORTAL – Como era o tratamento do Bingo em relação a esse tipo de situação?

AR – Eles te emprestam dinheiro, eles te dão as cartelas, eles colocam dinheiro no caça-níquel, eles te dão lanche, eles te dão café, claro que eles incentivam, você é tratada como uma princesa. Mas a partir do momento que você deu um cheque e o cheque ficou sem fundo, como eu fiz isso, ai eu tive polícia na minha porta, cobradores, querendo me matar, querendo me bater.

PORTAL – Quanto tempo você passava jogando?

AR – Eu não levantava nem pra ir ao toalete. Não comia, eu perdi 20 kg. Eu só fumava e jogava. Somente. E quando eu não tinha mais dinheiro ficava vendo os outros jogarem pra ver se alguém me dava 1 real. Você não quer sair de lá. Você não aceita que perdeu tudo. Então vira a madrugada, vira. Eu cheguei a ficardois, três dias. De me procurarem com a polícia, achando que eu tava morta.

PORTAL – Como você chegou ao tratamento?

AR – Eu não consigo me lembrar. Eu não queria ir para lugar nenhum, não aceitava que tinha um problema. Mesmo quando cheguei lá, eu não aceitei. Demorei muito para chegar nessa fase. Minha família tentou me internar nesse período. Mesmo em tratamento eu continuava jogando, joguei por muito tempo. Saia do tratamento e ia para o jogo.

PORTAL – Hoje, há quanto tempo você não joga?

AR – Já estou “limpa” [sem jogar] há cerca de oito anos. Não jogo nem na loteria. Segundo aprendi, a adrenalina dos caças-níqueis é a mesma das drogas. Nunca mais tive vontade de jogar, nem pretendo. Até hoje eu tenho pessoas que ainda não me levam a sério. Você fica com o passado sujo. Você precisa conquistar muito pra você voltar sua dignidade e mostrar que aquilo foi um problema que passou.

PORTAL – E quanto tempo você levou para quitar as dívidas do vício, foi um processo demorado?

AR – Eu levei mais de cinco anos. Tive o apoio da minha família, mas precisei vender bens como meu apartamento e me desfazer do meu carro.

PORTAL – Como você vê essa discussão no Congresso Nacional para a legalização dos jogos?

AR – Um completo absurdo. Querem tirar dinheiro das pessoas que são ignorantes, que estão com problemas financeiros. Os aposentados são os que mais frenquentam esse tipo de estabelecimento, com jogos. Uma coisa é certa, você nunca vai ganhar. A palavra já diz: é um jogo. Fico indignada de abrir jogo, porque vai começar o inferno das famílias que sofrem.



Compartilhe:




Comente:

EBOOK GRÁTIS


PARENTE VICIADO EM JOGO?
5 PASSOS PARA AJUDAR VOCÊ A IDENTIFICAR